Recent Posts

23.9.10


Alguém me explica o que que leva alguém no seu perfeito juízo a vestir isto? Tenho visto centenas de pequenas nos últimos dias neste look e não percebo quem quer parecer 20 anos mais velha e 10 kilos mais gorda.

Se há alguém que é dada a tradições sou eu... mas quando isso implica ficar totalmente sem graça e andar igual a toda a gente... menos... muito menos!!!

JOM

116 comentários:

metropolitana and sarah disse...

Agora em tempo de praxes é normal vermos coisas destas :)

joana disse...

E a intenção é mesmo essa, ficar igual a toda a gente. Para que na recepção dos caloiros os doutores sejam todos iguais aos seus olhos. Daí o código também proibir o uso de maquilhagem, unhas pintadas, anéis, brincos e outros acessórios. Nunca foi sobre ficar bem (embora algumas faculdades tenham trajes que englobam corpetes e coisas assim) e de certeza absoluta que não foi feito a pensar no conforto dos académicos. É a vida.

S. disse...

Sempre detestei, nunca usei :)

Anónimo disse...

O traje académico é algo de que, quem o usa, se orgulha bastante porque custou a conseguir. Para o usarmos não só tivemos de entrar no curso dos nossos sonhos, para muitos, como tivemos de ser praxados, tivemos de aprender o seu significado. É igual para todos porque na praxe a única coisa que nos distingue é a nossa hierarquia, não interessa se temos dinheiro para uns Manolo ou para uns Sanjo, estamos ali todos com o mesmo propósito que é fazer cumprir uma tradição tão bonita e para integrar os caloiros que se sentem perdidos à chegada.
Desculpa estar a alongar-me mas, a mim que no dia-a-dia me interesso por moda, não me faz qq confusão parecer menos bem de vez em qd se me estou a divertir com os meus amigos e a honrar e gritar por aquilo que um dia vou ser. Aliás, é das poucas alturas hoje em dia em que se pode ver um português a ter orgulho em alguma coisa, faz-nos encarar o que aí vem com mais vontade, fazemos parte de uma comunidade. ;) E era só isto...

Rita Mendes disse...

O traje académico é um simbolo de igualdade no meio universitário.NÃO se trata a de ter graça ou não mas sim de mostrar orgulho e respeito pela vida académica.

AnAndrade disse...

Sou professora universitária e todos os dias me pergunto exactamente o mesmo. :)

Marta T. disse...

Eu cá tenho saudades de usar o meu...mas já lá vai mais de um ano que não o visto. E a intenção de o vestir, ou melhor reza a história, que a ideia era mesmo de não haver diferenças sociais entre estudantes. Eu sou apologista disso1

Pobre morena burra disse...

Algumas não são assim tão pequenas...de qualquer maneira, tenho pena que não compreenda a essência do traje académico!!

Anónimo disse...

não querendo ser rude, nem muito menos ofensiva, a JOM frequentou a faculdade? soube o que era usar um traje académico e o valor que isso tem? andamos iguais a toda a gente porque existem regras para trajar. mas pelos vistos não vale a pena tentar explicar isso a quem não sabe o que é.
enverguei o meu traje durante 4 anos, passei os melhores momentos da minha vida académica com ele no pêlo e olho para ele e está ali um bocado do que eu sou, do que fui sendo e aquilo em que me transformei nos 4 melhores anos da minha vida.
e sim, lamento mas não podemos andar maquilhadas nem com adereços nem com o hit da estação da chanel nas unhas. existem coisas para além disso, esta é uma delas. é uma pena que seja tão ríspida nas críticas que faz, mas enfim.
Inês

Andreia disse...

LOL!
Penso q escolheu um péssimo exemplo de uma figura feminina trajada (e decerto foi escolhido a dedo..)..sobretudo pelo facto de a rapariga em causa estar a usar um traje com uns 3 tamanhos acima do devido, o que, convenhamos, não favorece ninguém.
Se pensar bem, o que é um traje académico que não: uma saia cintada, de cintura subida e comprimento pelo joelho; uma camisa branca simples, um casaco clássico, também cintado, e uma gravata? Nada que a faça parecer velha ou gorda a menos q o seja (ou que não saiba escolher o seu tamanho de traje). Agora se tiver uma boa figura, acredite que consegue ficar bem de traje, se tiver a sorte de ser minimamente bonita, consegue até destacar-se no meio de uma multidão trajada. Eu trajo pq estudo em Coimbra (e é bem verdade que certas tradições só fazem sentido em certos sitios)e adoro. Quanto ao facto andarmos todos vestidos da mesma forma...well..that's the point!a ideia por trás do traje académico, dos uniformes de colégio, and so on é exactamente a da uniformização. Mas não dramatizemos que o traje usa-se meia duzia de dias por ano e chega!

=)*

kish disse...

falar do que se sabe fica sempre bem, já mandar assim duas ou três postas de bacalhau sobre determinado assunto sem o perceber, faz-me certa confusão, acredito que se tivesse tido oportunidade, ou se tivesse sido integrada neste espírito académico, sobretudo no de Coimbra, tinha outra visão acerca do traje académico, não se trata de andar gira.

Raquel disse...

Não, não é bonito, e pelo que sei também nao é esse o propósito...
Não o usei, não porque o acho feio, mas porque acho que tem um significado que apesar de tudo deve ser honrado e eu nunca me considerei um boa representante das tradições académicas...
Agora , não gostar dele porque "ficam todas iguais", for God sake JOM, é esse o objectivo: igualdade.

Becas disse...

Nunca compreendi a praxe.
Aliás, compreendi, e por isso é que nunca consegui gostar e fazer parte dela. Não sei se pela faculdade que frequentei em que faziam daquilo vida e que com 30 e tal anos continuavam a deixar uma cadeira pra trás para poderem continuar a berrar com os caloiros e serem chamados de "Drs" quando, pelos vistos Dr é uma coisa que não vão ser tão cedo...
Disseram uma vez " Ah e tal porque na praxe aprendemos a ter respeito pela hierarquia". QUAL HIERARQUIA?

Adorei os meus anos na faculdade e não precisei da praxe para fazer amigos como apregoam no 1º dia em que quase nos ameaçam para aderirmos.

Anónimo disse...

Desculpem lá mas isto do traje é pura vaidade... olha eu que ando na faculdade!!! eu nunca andei na faculdade mas se andasse NUNCA compraria esta aberração. A minha irmã é advogada e só comprou o dela para a benção das fitas ou lá o que é (uma grande fantochada) e parecia ridicula... e não me venham a historia que só anda com o traje que foi praxada porque a minha irmã nunca foi praxada!!!!! compra quem quer e anda quem quer.... ainda no sábado de manhã duas miudas no Porto vestidas a rigor com um calor abrasador!!!coitadinhas.
Nini das Meias Altas

Anónimo disse...

Sem graça foi o seu post e peço imensa desculpa por dizê-lo mas quem "pareceu" mais fútil 10 kgs foi a Jom...
Patrícia

Ana disse...

Concordo com a Ines, provavelmente a JOM nao andou na faculdade e isso é so inveja. Nao sabe o orgulho que é usar um traje! 5 anos maravilhosos da minha vida!

Ana

AM_AF disse...

Eu provavelmente vou repetir um pouco aquilo que ja se disse.
Mas o traje tem um significado, uma origem, em que quando se começou a usar (pelo menos em Coimbra, porque o traje da foto é de coimbra), foi com a intenção de não se poder diferenciar as pessoas pobres das pessoas ricas, para eliminar a discrminação!! ou seja o traje simboliza o espirito academico de solidariedade e entre-ajuda entre os estudantes!!
Portanto existem dias em que é para usar o traje e outros que podemos e devemos manter a nossa individualidade e mostrar a nossa personalidade com as nossas escolhas de roupas e acessórios!!

Mas quem vai a uma missa da benção das pastas, a um cortejo da queima trajado sente um orgulho imenso por fazer parte daquele grupo!

Isabel G. disse...

Tenho quase a certeza que a Jom andou na faculdade e se calhar, por isso mesmo, pode escrever aqui a sua opinião. Também andei na faculdade (há muitos anos...) e nunca gostei do traje. Mas o essencial aqui, é perceber que este post está cheio de ironia. Não vamos pensar que a Jom é ignorante ao ponto de não saber o significado do traje e da vida académica.
Isto é só uma constatação: os trajes académicos não favorecem ninguém do ponto de vista estético.
Ainda bem que as opiniões diferem! Até aí a diferença é positiva!

Sara disse...

O traje faz todos serem iguais. Pelo menos, um dia, somos todos iguais. Ninguém olha para o materialismo, o que é bom. Porque não importa o que vestimos, importa o que somos. E é com muito orgulho que visto o meu traje, e que continuarei a usá-lo.

A miuda dos saltos altos disse...

Ando na faculdade mas não trajo porque não sou muito ligada a tradições mas também não critico quem o faz!

ACA disse...

Os debates sobre tradição académica, na minha opinião, baseiam-se numa única coisa: quem não o viveu e, logo, não sabe do que fala e quem o viveu de forma plena e feliz, fazendo determinados sacrifícios com um enorme prazer.

E claro, essa experiência está directamente ligada à faculdade que se frequenta. Que ninguém me fale de vida académica na católica em Lisboa, pff... Muitos deles nem conhecem o código ou vão para benção de calças de ganga e capa comprada na véspera. Já para não falar de universidades que permitem o uso do traje a pessoas que se declararam anti-praxe no início do curso. São essas as excepções ridículas que descredibilização a tradição.

Confesso que me custava, na semana de praxe, usar o meu traje cinco dias seguidinhos de manhã à noite... Tinha apenas duas camisas que ia lavando e trocando, e muitaaas collants. Sem qualquer tipo de maquilhagem, acessórios, ou manicure. Sem mala. Sem lápis preto, sem óculos de sol (no meu caso só eram permitidos para conduzir)!! Até brincávamos com isso, no último dia, no arraial, em que vestiamos novamente a nossa roupa e diziamos: "voltei a ter personalidade!!" E era super engraçado ouvir os comentários dos caloiros que nos viam, pela primeira vez, sem traje: "ah, eu pensava que tu eras beta!"

O objectivo do traje académico é uniformizar os estudantes para que apenas a sua inteligência e personalidade os distinga dos demais. A educação é um direito universal e o objectivo era o de não haver qualquer tipo de distinção entre ricos e pobres, bem-vestidos ou mal-vestidos. Fui praxada enquanto caloira e praxei durante 3 anos até acabar o curso.

Foi muito feliz enquanto caloira, e enquanto "doutora". Tive caloiros a chorarem e a agradecerem a fantástica semana de praxe que tiveram. De forma pura e sentida. Tive muita sorte com a faculdade onde estudei.

Tenho orgulho no meu traje - que não comprei só para ir para benção, isso sim, é RIDÍCULO.
Está cheio de marcas e de símbolos que me acompanharam durante a vida académica.

E convenhamos: uma saia travada, subida, umas meias de vidro pretas, uma gravata e uma camisa branca, pode ser bem sexy!

E obviamente JOM, e desculpa discordar contigo, quando se veste um traje pensa-se em tudo menos em Moda. That´s not the point! O uso do traje é feito em dias em que o consumismo e aparência exterior são renegados para último plano.

Adoro o teu blog!!!

Beijinho*

Anónimo disse...

Oh JOM esclareça aqui o pessoal: andou na faculdade?? Não, pois não? Eu ando e não uso mas só pq não me identifico com as praxes e por isso não acho que seja correcto usar se não vivi uma boa parte do espírito académico. Mas acho muito bem que quem se identifica com a tradição o use. Talvez se fosse uma daquelas fatiotas que usam nos EUA a JOM não dissesse a mesma coisa... pq lá está: há muito boa celebridade com estilo que já usou aquela indumentária e por isso já é aceitável.

P. disse...

Eu nunca me deixo de surpreender com a indignação das pessoas. Já falámos por aqui noutras ocasiões na liberdade de expressão mas parece que tem que ser um tema recorrente.
Eu, como a JOM, não acho graça nenhuma nem ao traje nem ao espírito académico.
Como disse alguém e muito bem, inicialmente quando foi usado em Coimbra tinha toda a lógica de "indiferenciar" quem os usasse para que pudessem ser integrados numa comunidade única mas convenhamos que hoje em dia não representa nada disso.

Eu trabalho junto de uma universidade e nesta altura vejo todos os doutores a praxar os caloiros do alto do seu traje como se fossem uns seres especiais. A maioria deles chumba anos a fio para depois ter muita dificuldade em entrar no mercado de trabalho. Estou mesmo convencida que esta passagem de "doutor" a desempregado ou a servir cafés pode ter sérias consequências psicológicas....

Mas bottom line é: este é um blog de MODA, de MODA! Todas temos que concordar que vestir uma farda igual, sem formas e sem cores, nunca pode estar na moda....
Indignem-se contra outras coisas...

Patricia

Maria E. disse...

Estes posts é k têm graça...Relmente há quem sinta o espirito académico, há quem use para mostrar ao mundo que é universitária, nem que seja oriunda das novas oportunidades, enfim há de tudo... E Jom não lhes diga se andou na Faculdade, se é licenciada, mestre ou doutora, fiquem na dúvida. Mas que a maior parte destes jovens parecem uns sofredores vestidos com aquele Kit lá isso é verdade! Ainda bem que no meu tempo se vivia no PREC em que a vida académica tinha outro significado.
Mas também entendo que quem vem das artes e tem um traje académico giro deve achar o normal horrível...

Joana Afonso disse...

Só quem vive o verdadeiro espírito académico compreende o porquê do uso do traje. É um símbolo da faculdade que usamos com muito orgulho. Não é por obrigação, é uma opção. E o ficar igual a toda a gente .. neste caso, é uma coisa boa: fazemos todos parte do ensino superior. E é uma coisa que gostamos e nos orgulhamos.

Anónimo disse...

O traje não é um item de moda/tendências. Pensei que a JOM fosse um pouco mais informada nesse sentido...O traje é tradição e herança cultural. Dizer que o traje não está na moda é o mesmo que dizer que as roupas típicas das senhoras de Viana não tem bom corte ou que não assenta bem...

Se espreitar aqui pode ter noção de algumas variações que os trajes académicos têm segundo as regiões que representam: http://www.ffguitarradas.pt/trajes-academicos.html#aveiro

Como estudei em Aveiro, só posso falar com propriedade do traje desta universidade. Cá o traje não se designa por "traje", mas sim Tertúlio, sendo que estão associados elementos etnográficos importantes da indumentária regional. As meninas usam um corpete com decote arredondado e laço, pois as senhoras da região usavam este tipo de vestuário (mais uma vez, como pode ver aqui: http://www.ffguitarradas.pt/trajes-academicos.html#aveiro). Assim como em vez da típica capa temos um gabão, reminiscente do agasalho que os pescadores e trabalhadores do mar e da ria usavam nesta região, que nunca é traçado, ao contrário do que acontece com as capas noutras universidades. Sei também que as saias nas universidades do interior são compridas pois o clima lá é bastante agreste, pelo que o traje se adaptada à dureza do clima.

Se concordo com todos os comportamentos que são tidos em nome da praxe? Não, mas não é isso que está em discussão. O traje é um elemento cultural, veste quem quiser e só tem certos comportamentos com ele vestido quem quer. O espírito académico não tem que implicar o envergar do traje. Claro que a JOM é livre se não gostar do traje ou não concordar com o uso do mesmo, mas convém que não se esqueça do valor histórico que este tem.

Ana disse...

Nunca usei...Medooooooooo
É mesmo muito feio!!!
Na minha benção das pastas, estava maravilhosa num belo vestido preto, feito para a ocasião!!!

Anónimo disse...

Esse "look" chama-se traje académico, já ouviu falar? Provavelmente não. É composto por uma saia pelo joelho (que não se assemelha em nada a uma pencil skirt), uma camisa de corte direito, casaco que não pode ser cintado, gravata e capa. Não há lugar para maquilhagem,verniz, brincos, pulseiras ou anéis.

O objectivo deste "look" não é concerteza posar para a Vogue.

A mulher mais confiante numa sala pode aparentemente ser a mais bem vestida, mas não tenha dúvidas que a mais confiante será a mais inteligente!

Fique bem.

FUSCHIA disse...

Andei na Faculdade e acho absolutamente ridículo estes TRAJES....além de inestéticos, feios e pesados,,,nao servem para mais anda para dizer - "EU ANDO NA FACULDADE",,,,BIG DEAL
é isso e TUNAS BLHEC

Rita G. disse...

Andei na faculdade, foram os melhores anos da minha vida e nunca usei traje. Simplesmente nunca fui dada a tradições académicas, nem a trajes, nem a praxes ou tunas...mas quem se sente bem a usar, força, só pode fazê-lo durante poucos anos. bj:)

Anónimo disse...

Ler a caixa de comentários é sem dúvida hilariante! Não fazia ideia que existia tanto ressabiamento por parte de quem não frequentou uma faculdade. O uso de traje académico não é para provar aos outros que se é universitário! Talvez na fantasia de alguns seja...

Sejam felizes!

Anónimo disse...

é um orgulho vestir o traje. nao e uma questao de moda mas sim de igualdade. nao se trata de querer parecer mais velho nem de ficar mais gordo nem mais feio ou mais bonito, trata-se de uma tradiçao da qual todos os estudantes universitarios se deviam orgulhar!

Anónimo disse...

Estou um bocadinho surpreendida por reacções tão inflamadas a uma simples partilha de opinião. Ainda por cima gerada pela burca académica. São trajes muito feios, que são. Os sapatos são sempre inenarráveis, que são. A maior parte dos colegas que os utilizavam passavam tempo demais a beber e a gritar com caloiros que passavam, mas ainda bem que têm essa possibilidade. Como fiz a escola toda, e como optei não usar traje, respeitando os colegas que o usavam, sinto-me livre para dizer que é inestético e favorece mais os homens que as mulheres. Também não me agrada muito a ideia de existirem peças apenas destinadas ao uso masculino, com as calças ou o colete. Nem pensar em ser criativo, tudo isso me desagrada, mas são opções, há que respeitá-las. Mas é feio? É. Ou não podemos achar que um traje é feio sem que nos tratem como iletradas, harpias da ciência e humanidades, queimadoras de livros forradas a pied’poule Chanel.
Ah, os sapatos, nem com 80 anos, cheia de joanetes me apanham naqueles sapatos e para alguém que passou mais de 10 anos em botas da tropa isso é dizer muito. Divirtam-se e tolerem-se, é fim-de-semana.

Anónimo disse...

Finalmente alguém que me entenda! ;)
respeito quem usa mas nunca o fiz e não me imaginava a usá-lo...

xoxo

nini

Chila Camomila disse...

O único pretexto para teres feito um post como este, sem total cabimento, é nunca teres sentido o verdadeiro valor da vida académica. Discordo de TUDO o que escreveste.

Artur disse...

Eu também odeio o traje. :S Pensava que era o único! Obrigado, obrigado, obrigado... xD

Sempre que digo que não gosto do traje a amigos meus, estes quase que me matam! Dizem que é lindo! Não consigo perceber... :S

Sara Marques disse...

Como é que é possível haver pessoas tão ridículas.
Este post é ridículo.
"Se há alguém q é dada a tradições sou eu...'' ?! pode ter a certeza que existe aí um engano.
Não gostar, optar por não usar e não ter o espírito... compreensível. Agora todas essas palavras escritas por si só mostram estupidez. E para finalizar, qualquer pessoa universitária no seu perfeito juízo VESTE ISSO! 3,4,5 dias seguidos...

Joana _ID disse...

OMG dear JOM, que confusão que aqui vai... mas aqui vai tb o meu comentário. Eu andei na faculdade, quer dizer até andei em duas (sim uma croma que tem dois cursos sup., mas adiante...) não é que seja totalmente contra mas também não foi do meu total agrado usar o dito traje, não é que goste, mas ser igual a todos não me atrai muito.

Tive “sorte” que a minha primeira passagem académica foi pelo IADE e que por acaso é o traje mai lindo que existe, não tem nada de preto, só mesmo a capa o resto é uma homenagem ao design e as suas escolas na Escócia, por isso é rapazes e raparigas de kilt!! Uma Maravilha que gostei tanto de usar !! A minha segunda passagem académica, na ULusiada aí já se usa este tão famoso traje todo preto, que também sinceramente nada me agrada e… Este eu não comprei!

Compreendo totalmente todas as opiniões académicas que aqui se encontram mas também não é necessário se ofenderem tanto, e andarem a perguntar se a JOM percebe de tradições ou se andou na fac.! Cada um vive a faculdade á sua maneira, uns mais afincados, e outros que respeitam o espirito académico e vestem bem “a camisola”, apenas não tolero é certos comportamentos que falam em nome das ditas praxes! O traje é um elemento cultural académico, é sim senhora, não é de certeza para aparecer na capa da Vogue. Eu o traje preto abomino, o do IADE/kilt AMO!! Há quem goste e use e abuse, há opiniões para todos os gostos.

é. disse...

Custa-me engolir a ideia de que o traje continua a servir para que os estudantes sejam todos iguais, uma vez em muitas faculdades (talvez com a excepção das faculdades de Coimbra) quem traja é uma minoria. Custa-me também engolir a ideia original, pois ainda hoje o ensino superior é algo que está vedado à maior parte das pessoas e o traje acaba por ser uma marca de classe.
Também me custa perceber porque é que um estudante de primeiro ano se sujeita a "brincadeiras" que, nos casos mais suaves, passam por cantigas de índole sexista e homofóbica e por andarem com os rostos pintados durante uns tempos, para conseguirem ser "parte do grupo" e criarem laços de amizade com os seus colegas e com aqueles que os praxaram. Eu fiz amigos no ensino superior sem nunca andar com orelhas de burro, penicos na cabeça ou de ser "besta" durante um ano. Não preciso de passar por provas para fazer amigos.
Não acho que a maior parte das pessoas que foram praxadas sofram e é possível ver que a maior parte se está a divertir. O problema está no facto das pessoas não questionarem coisa nenhuma. Eu tenho de ser praxado para conhecer pessoas na minha faculdade? Eu tenho que andar a fazer figuras "engraçadas" em público para entrar no ensino superior? Eu tenho de fazer tudo isso e trajar para sentir o "espírito académico"? Eu posso falar em "tradição" quando vivo em Lisboa e ela só existe cá desde o início dos anos 90? Para mim o ensino superior, além de nos formar no curso que escolhemos, devia ensinar-nos a questionar o mundo. Eu vejo cada vez mais pessoas que fazem precisamente o contrário.

Caucau Shoe Maniac disse...

Eu usei, adorei e cada vez que há as festas académicas tenho vontade de voltar a vestir. Adorei os meus tempos de estudante e o traje académico marcou uma etapa da minha vida que foi muito importante. Bjs***

carla disse...

Acho de uma saloiada e ridículo mesmo usar traje académico.Sim, andei na faculdade e não há muitos anos,e licenciei-me, mestrei-me, doutorei-me.... felizmente andei numa faculdade decente que até era anti praxe e onde não haviam esses espécimens. A praxe não integra, segrega. É ridícula, símbolo de um tempo salazarento e de antigo regime onde velhotes se levantavam do lugar num autocarro para dar lugar ao sr. Dr.
o fato é horroroso e se a ideia era não haver distinção entre estudantes isso é uma bela estupidez, porque reconhece-se ao longe um xoné dum beto com trajes iguais.
É uma vergonha assistir ali no jardim do Arco do cego, todos os dias a garotada trajada a beber cervejas às 15h00 e a mandar os caloiros fazer figuras ridículas.
JOM, mais uma vez um assunto polémico, mas olhe que todos os dias me pergunto isso mesmo, o que leva alguém a andar assim vestido/a ???

Joana disse...

Tradição académica e sinal de orgulho.

R disse...

Ainda bem que alguém me entende sou universitária mas não consigo pensar na ideia de me trajar não gosto mesmo nada... pesadão que só ele.

Anónimo disse...

Traje académico, praxes e coma alcoólico académico, há que não esquecer... Tudo isso faz parte de uma fase da vida de alguns, hoje em dia quase todos. Mas que o traje é medonho e elitista lá isso é. Pois o do IADE, sim é diferente...

Madalena Sepúlveda disse...

Jom, entendo a sua perspectiva fashionista da coisa... Mas o Traje Académico (e passo a citar), simboliza a igualdade entre todos os estudantes. De Capa e Batina, não existem distinções entre pobres e ricos. Todos são iguais. A única forma de alguém se evidenciar é através do uso da inteligência, pois de traje não se podem usar enfeites para chamar a atenção. Portanto é mesmo suposto andar sem graça e igual a toda a gente, como diz! É este o espírito do traje no mundo académico (assim como nas instituições que é obrigatório o uso de farda). Eu trajei (e adorei o espírito) e vou ter de andar fardada para o resto da vida (sou médica), posso até andar igual aos outros todos... e sem graça é verdade! Mas que importa isso quando se é feliz? ;)

miana_monteiro disse...

Eu vou para a universidade no próximo ano e espero nunca ter de me trajar. Mas respeito quem o faz , é uma opção.

E a JOM tem todo o direito a exprimir a sua opinião , já que é os eu blog.


E já agora , os ANÓNIMOS têm coragem para criticar , mas não dando a cara. Isso sim , É TRISTE.

Anónimo disse...

Concordo com a Carla, dizem que o traje é simbolo de igualdade, mas este simplesmente demarca do resto da sociedade a minoria que teve acesso ao ensino superior. Num país em que Dr. é um título e sinónimo de estatuto, o traje parece-me mais uma marca de snobismo do que de tradição académica. E sim, é feio. Muito feio. Os sapatos fazem uma modelo de 1.80 parecer atarracada.

Beijinhos,mimi

Fairy disse...

Dos posts mais fúteis algumas vez feitos neste blog, desnecessário e estúpido, valha-me Deus!
Não se trata de uma questão de moda, senhora!
"20 anos mais velha e 10 kilos mais gorda." fútil do início ao fim!
e ainda se diz ligada às tradições, não me faça rir, se faz favor!

Anónimo disse...

Menos JOM, menos.
Baaahhhh, este post deu-me sono... desinteressante.

Maria

Anónimo disse...

não sei alguém que esta a estudar e tem orgulho nisso, é capaz

Anónimo disse...

Ora aqui está um comentário que mais valia ter ficado na gaveta... Nem me vou dar ao trabalho de explicar.

Anónimo disse...

vistas bem as coisas, não deixava de ser um traje académico, com todo o peso que lhe atribuem, se fosse mais bonitinho!
Sou uma licenciada, com muito orgulho nos meus 5 anos de faculdade. Sempre me recusei a usar tal coisa mais horrenda que, ainda por cima, é cara como tudo!
Realmente não há nada que tire mais a piadinha a uma académica do que o traje. Havia algum mal em embelezar um pouco a coisa? Não me parece...
Teresa

Anónimo disse...

miana monteiro e impossivel dar a cara num blog nao vou espetar aqui com a minha foto nao e? nao e falta de coragem assumir-me como anonima, mas se escrevesse aqui joana ficavas mais contente querida?

Anónimo disse...

Bem..se por causa da moda não respeita as tradições, é a pior razão de sempre !
Eu tenho imenso orgulho em usar o traje académico..o que lutei para o usar..sim para andar igual a toda a gente, porque isso significava que tinha cumprido o sonho de entrar no curso que queria !

Este blog é um blog de futilidades, vamos ser sinceras..só tenho pena que por isso, não se respeite uma tradição única de Portugal !

Nês

sofia disse...

Parabéns, JOM! Veio, mais uma vez, dar provas da sua estupidez! You go girl!!

Anónimo disse...

este blog ia bem.. ate hoje!
este post e no minimo um diaparte. e sim so quem la entrou, sofreu e de la saiu sabe o orgulho de usar o dito traje. existem pessoas a usar roupas q nd lhes favorece e bem ridiculas por mt menos, ou melhor so pela etiqueta.
Ana

Ana disse...

Compreendo e aceito quem não goste dos traje, e não se identifique com os valores que ele trás, são opções, gostos e identidades. Mas criticar, desculpe-me o termo, de forma ridícula já é diferente. É que este post está cheio de contradições, uma tradição é todo um conjunto de práticas e valores com a qual um conjunto de pessoas se identifica, e o traje académico é isso mesmo. A questão não é posar para uma qualquer capa de revista, se está fashion ou não, esse não é o intuito ao vestir um traje. Em coimbra, na primeira quinta-feira do mês de Maio verá as ruas da cidade vestidas de preto, verá imensa trajada e acredite que não estão preocupados se parecem 20 mais velhos, ou com 10 kilos a mais (um bocadinho exagerado este comentário). Para quem gosta da tradição vestir o traje é sentir (e principalmente a primeira vez que o vestimos) que fazemos parte da instituição. São opções, há quem goste e viva tudo intensamente, há quem não goste mas não são criticados por isso.

Anónimo disse...

este tipo de posts acaba com todas as duvidas que você é mesmo fútil e ignorante..

Anónimo disse...

Bem, dei-me ao trabalho de ler todos os comentarios e acho ridículo (isso sim) e indignação que para aqui vai. Eu estou na faculdade, nao andei na praxe por opção e todos os dias me interrogo porque andam com aquilo.. e sinceramente nao é numa perspectiva estética mas do "poder" que os estudantes acham que ficam por enveredar o traje,
Eu nao concordo minimante com a frase "E PARA NOS TORNAR IGUAIS". o que? eu vejo pela maior parte dos ditos "doutores" ficam todos com a mania que sao alguem por usarem o traje.. Isso é que me indigna.. E uma verdade é que se sentem superiores e que podem descarregar a raiva nos caloiros.. Enfim, o que a JOM estava a salientar é que nao gosta do traje numa perspectiva estetica (ESTETICA) e para ela é bom que haja PERSONALIDADE na maneira de vestir independentemente da roupa.. nao esta em causa uns manolos ou uns sapatos da bata mas sim a nao-igualdade..

E para quem acha que é um blogue futil, entao porque o le? for god sake.. é um blogue de moda! os posts aqui colocados é so em relaçao a moda.. vejam isso por ai.

A JOM nao falou no espirito academico falou na estetica e na nao-personalidade que isso acarreta.. bem é so uma oopiniao de alguem suspeito porque tambem odeia o traje, e nem e por razoes esteticas como ja referi. Mas ATENÇÃO, compreendo quem o faça e nao julgo. mas tambem nao julguem quem manifestou uma opiniao sobre MODA num blogue de MODA...

E em relação a JOM apenas acho que faz algumas criticas de uma maneira dura, podia ser mais branda. Mas o facto é que isto e um blogue e cada um expressa-se como acha melhor.

No fim, quem nao gosta e acha futil, nao ve. ponto.

Inês G.

Anónimo disse...

então se o branco e cores afins lhe ficassem mal casava-se de encarnado??!
"Se há alguém que é dada a tradições sou eu..."..LOL!

Anónimo disse...

JOM o post anterior tem graça...
Não percebe o que é o marketing e pelos vistos você percebe e bem! Quer leitores? Post questões controversas nem que pareçam parvas, porque você pelos vistos de estupida é que não tem nada. E já agora sobre a matéria em questão: o traje é horrível, de igualdade tem tanto como nada, já que diferencia, isso sim, quem tem acesso a um curso superior, nem que tenha de entrar com nove valores numa faculdade que não escolheu e que faça um curso que lamentavelmente não escolheu e muitas vezes a leve para o desemprego ou para o banco de qualquer caixa de supermercado. Mas, entretanto, viva o espirito académico, o saudável, o da solidariedade, o da amizade para a vida.

Maria de Lurdes disse...

O que a JOM me diverte!

Aproveita esta época do ano, em que sempre vem à baila o já estafado assunto da praxe académica e do seu significado, pespega no seu blog uma foto e meia dúzia de palavras bem medidas (pela métrica da polémica) e é ver os comentários a chover, dos que se deixam ofender e dos que a "apoiam"... E já cá cantam mais de 50 comentários, é assim a receita para um post polémico e muitas visitas garantidas! Congrats JOM!

E não precisam de se inquietar os muitos que aqui passam... a JOM está a a marimbar-se para o traje académico, mas sabe perfeitamente o seu significado e as motivações de quem o usa e até as regras do seu uso, não precisando que ninguém o explique, mas aprecia as vossas visitas na mesma, principalmente as dos que a levam a sério, voltem sempre! Se calhar até ela o usou, em algum ou alguns dias da sua vida, só porque sim...

Estes posts polémicos são sempre uma comédia, obrigada :DDD

AnAndrade disse...

No meio de tudo isto, retenho:
a) que é muito mais fácil atacar do que apoiar;
b) que a (in)tolerância é um assunto premente (a JOM, ao que li, afirmou não apreciar, esteticamente, o fato académico e nunca, semanticamente, o que ele significa);
c) saber ler não é saber LER;
d) acreditar que usar um mesmo fato é gritar igualdade não é só ingénuo, é pouco perspicaz;
e) desconhecer o conceito de equidade é triste (mas desde qualdo é que somos todos iguais, senhores?!);
f) crer que todos os que passam pelo ensino superior (mesmo em Coimbra, onde estudei) têm o mesmo deleite (e deleite não é o mesmo que respeito, bem entendido) pelas tradições académicas é desatenção.

Bom fim de semana a todos e, sobretudo, levam a coisa à lavandaria de vez em quando; o cheiro que alguns exalam é insuportável. Mas, anyway, o mesmo acontece com os que não se vestem de igual...

Ana disse...

Sim, o traje é todo preto. Sim, causa imenso calor durante o verão. Sim, os sapatos são horrendos e doem nos pés. Sim, a capa é pesada e quente.
Sim, andamos de igual.
E daí? O que importa é o espirito académico que nos envolve e que queremos transmitir aos caloiros. Um dos momentos mais altos da faculdade e da vida académica é sem dúvida o momento em que usas o traje pela 1ª vez, com os teus amigos e colegas que te vão acompanhar durante 3,4,5 ou mais anos de curso, todos juntos, todos iguais.

Se gosto dele apenas avaliando esteticamente? Não. Se gosto dele avaliando tudo aquilo que significa? ADORO!´

Que não compreendam ou não gostem, eu entendo. Agora, dizer "o que leva alguem no seu perfeito juizo a vestir isto?" é igual a dizer "qem é que no seu pefeito juizo tira fotos todos os dias dos outfits gerados e dps coloca num blog? só para ouvir - uau, que gira-?"

Se foi escrita para gerar controvérsia, os meus parabéns.

Teresa disse...

Tal como nos colegios, existe um traje típico, para haver uma certa igualdade... Nas faculdades existe também esta tradição. Provavelmente irei comprar quando tiver de comprar, porque se for escolhido no devido tamanho certamente ficará melhor do que o da imagem apresentada. Trata-se aqui de tradição e de prestigio, penso eu. Não de estar IN ou OUT. são diferentes pontos de vista. A sociedade portuguesa tem grandes falhas e não penso que esta seja uma grande. Aposto que se esta imagem viagem de um prestigiado colegio Americano seria o IT do momento... Como não é, continuemos a criticar as tradições portuguesas, ou não.

É apenas a minha opinião.

Rute disse...

Eu sou MAMATA.

Movimento Anti Movimento Anti Tradição Académica.

... e aposto que a JOM e todas as pessoas que renegam o traje académico são MATA.

Anónimo disse...

Não tenho muito mais a acrescentar ao que foi dito...

Mas há coisas que não se conseguem explicar.. é um ORGULHO IMENSO Trajar pela minha Casa. Honrar e representa-la é muito mais importante do que ter um look perfeito.

Posso andar sem acessórios, sem maquilhagem, com a saia abaixo do joelho.. não me interessa.. era o meu Traje que eu salvava em caso de incêndio.

Só quem VIVEU a praxe e quem a adora é que sabe o quanto significa Trajar! Eu chorei quando o experimentei da 1ª vez, e o objectivo é mesmo ficarmos iguais, sermos uniformes, sermos UM SÓ!

Tenho dito.

Anónimo disse...

Parabéns JOM! Desta vez foi melhor que o da Pandora!Há que ter imaginação e pôr as pessoas a falar e a ler, ler muito!...Leêm estes e ou outros....
Quanto ao traje, bem é horrivel, mas há gostos para tudo e há que respeitar. A estética cada um encontra-a onde quer e os universitários podem escolher vestir o que mais lhe apraz. As meninas sem adereços e sem pinturas algumas, coitadas, parecem umas pequenas bruxas, mas tudo bem!!Convém lembrar, que no final do curso há que adquirir o anelinho, porque esse sim significa o máximo. Até eu tenho um...Há quem preferisse um relógio, são gostos é como as fatiotas uns trajam de marujo, varina, doutores, médicos, enfermeiros ...É o espirito da classe!

Ana Reis disse...

Oh Jom por favor....quando é para dizer asneiras então é melhor optar pelo silêncio!
Aconselho a pensar um pouco antes de falar é que parecendo que não faz figura de ignorante!

Rita Andrade disse...

Por acaso não é confortável, é quente e não prima pela elegância ou qualidade dos tecidos. Usei o meu 6 anos (na altura das devidas festas académicas). Hj voltaria a fazê-lo pq... pior que o traje, só mesmo aquele seu casaquinho lindo de morrer de "pele" (pois, sim, pele, ah ah) da Zara que comprou (e eu sou fã de Zara) - exímio bom gosto, sem dúvida.

Anónimo disse...

Percebo que possas não gostar do traje..estás no teu direito! Agora usar como argumento que andamos igual a toda a gente não deixa de ser irónico...falas aqui de roupas e roupas que são usadas por milhares de pessoas...que são tudo menos originais.

Anónimo disse...

A ideia do traje não é estar bonita e na moda, mas sim uma tradição que uns optam por cumprir e outros não. Ninguém deve ser condenado por não usar o traje mas há formas de expressar a opinião e argumentar o porquê de não o utilizar e JOM infelizmente optou pela forma mais básica e ignorante de todas.

Tenho pena de si sinceramente.

frenchlittlething disse...

Já todos sabemos que faz parte da tradição, que é para igualar e etc...mas eu pergunto-me..fará sentido visto que estamos em 2010? Já para não falar que hoje qualquer um tira um curso e que muitas dessas "tradiçoes"/praxes mencionadas são completamente medievais e não fazem sentido nos dias de hoje. Mas voltando ao fato, a meu ver não é muito lindo nem favorecedor a nível estético, nem serve para igualar, por exemplo nos dias de hoje basta um telemóvel para marcar posiçao social ou dar status.

Pipita de Chocolate disse...

Do ponto de vista da tradição académica compreendo a utilização do traje, que pessoalmente nunca utilizei, pois no meu grupo de amigos da faculdade ninguém usava e pessoalmente nunca achei piada... Do ponto de vista estético acho que o material de que são feitos os trajes é péssimo, custam um balúrdio, as camisas são muito mazinhas e sem corte, e os sapatos são pavorosos, nem a minha avó usaria aquilo! E depois existem as "regras" que não são mais que fundamentalismos: não usar verniz, não usar relógio, brincos ou maquilhagem?! Qual é o propósito? Então se eu uso relógio diariamente desde os 6 anos, se até na praia uso brincos (pequenos), se não saio de casa sem base, blush e máscara, ia trajar indo contra tudo o que faço no dia a dia?! Com que propósito?!

Na minha bênção, no entanto quis integrar o espírito académico, à minha maneira, comprei uma saia preta em A da Zara, um blazer preto, cintado, obviamente, também da Zara, usei uns sapatos pretos que já tinha (bicudos, foi há 4 anos), uma camisa branca que também já tinha e uma gravata preta. Obviamente usei brincos pequenos, relógio, óculos de sol (uso lentes e tenho bastante sensibilidade ao sol), make up e unhas pintadas numa cor pastel. Não foi por isso que destoei dos outros, sem entrar em regras parvas e sem nexo.

Diverti-me imenso nesse dia :)

Anónimo disse...

cada um tem a sua opinião. e o problema aqui não é esse. o problema foi a maneira como a JOM "falou". há maneiras bem melhores de se dar uma opinião. porque este post foi um bocado ofensivo. podia não ter sido, mas a JOM preferiu assim. ok, então.

Style disse...

JOM,

este é um blog que gosto de visitar, mas lamento muito ter que dizer que este post foi totalmente infeliz! Estas palavras são uma autêntica barbaridade... e não, não vou ceder à tentação de dizer tudo o que o meu traje significou para mim... mas vai muito para além da moda, isso é certo!

Kiss*

Catarina disse...

O azar é que faz parte da tradição cortar as etiquetas que dizem a marca...se lá estivessem penduradas aposto ia achar giríssimos...é que em boa verdade são Chanel! Palavra de honra...!

Lisa disse...

Realmente é o verdadeiro pavor!!!! Graças a Deus que nunca me deu para comprar a vestimenta da faculdade mas pelo menos a do IADE era bem mais gira. Seja como for acho um verdadeiro desperdício de dinheiro.

Beijinhoooo

Anónimo disse...

Com este post conseguiu deixar-me completamente desinteressada pelo seu blog. Se é de tradição e não percebe a tradição de estudantes trajados (que é um dos marcos da história estudantil do nosso país) ou é ignorante ou fútil demais. Claro que todos temos direito à nossa opinião e devemos respeitar a dos outros. Mas não consigo respeitar a sua opinião neste assunto (ainda que a aceite) devido à forma como a expressou sem qualquer respeito por todos aqueles que abraçaram essa mesma tradição. Se calhar o seu problema é ter excesso de opinião mesmo.

E agradável à vista? Acha que alguém comprou o traje para desfilar com ele? Isto foi o cúmulo da má opinião.
Convido-a a integrar ou assistir a manifestações da tradição académica que se vivem em Coimbra ou até no Porto, pode ser que aí perceba alguma coisa (ou não).

Anónimo disse...

Tão, mas tão fútil.

BUBBLES disse...

Não se trata de moda, mas sim de tradição. É um traje académico. Horrível, é verdade, mas nesta altura é normal: caloiros, praxes, etc.

Nicoline disse...

ohhh great blog, I love it!!! I hope that you will visit mine:)
www.abitofeverything-nicoline.blogspot.com

Anónimo disse...

que confusão que aqui vai!
acho que este post foi de muito mau carácter mesmo.... a moda e o parecer bem nao é tudo na vida! usar o traje é muito mais do que isso.... mas nem vale a pena explicar porke. já foi explicado imensas vezes e é como falar para uma porta

Anónimo disse...

Voce é maluquinha ou algo do género? Não está em causa glamour, saltos altos e ser fashion, por favor, que futilidade. É um traje académico, não é para ser moda, é orgulho e respeito. Enfim.

Anónimo disse...

Usas coisas bem piores no dia-a-dia, secalhar se na etiqueta estivesse escrito Chanel ou algo do genero ias logo a correr comprar e defendias o Traje mais que qualquer outra coisa. Mas enfim, se és ignorante e não percebes o seu simbolismo, problema o teu.

Uso o traje com orgulho, e vamos la ser menos burrinhos, quem anda de traje não significa que tenha uma data de matriculas e que ande a praxar porque aproveita para se sentir "alguém", associar isso a nao se vir a ter emprego ainda mais piada tem. Ri-me de quem disse isto, por favor...

E como já muitos te disseram, há alturas que mais valia estares calada.

Joana disse...

Para quem é tao dada a tradições nao entede nada disto, ou será porque nunca teve o privilégio de andar numa universidade e sentir o verdadeiro espírito académico, é que de certeza que deve ser isso tendo em conta o post absurdo que fez. Uma coisa são opiniões a outra é comentários estupidos e infelizes.

O objectivo do traje nao é marcar a diferença pelo outfit, é viver a vida universitária na sua plenitude e antes de mais integrar os caloiros recém chegados e introduzi-los no espirito. O obectivo é mesmo parecer iguais, mostrar que somos todos feitos do mesmo e que remamos todos pelo mesmo objectivo: tirar um curso superior e aproveitar a universidade.

Se pensa assim tenho pena de si porque de facto nunca experienciou tais vivências!

euviumsapo disse...

lol às pessoas feias tudo fica mal querida.

Deves ser daquelas que tem que experimentar 876545678 vestidos para ir a uma festa.

Há quem vista um, não tenha paciencia e seja eleita a mais bonita. Algumas pessoas nascem com classe, outras tentar comprá-la.

A classe não está na roupa mas sim em quem a usa.

joana disse...

Por este post e por mais alguns que já li por aqui (por exemplo o das tatuagens chanel serem fantásticas, quando são ridículas), posso afirmar que este é o BLOG MAIS FÚTIL E OCO que conheço, escrito por uma pessoa sem personalidade que abraça todas as tendências quer sejam lindas ou ridículas, n há maior prova de falta de gosto. Já gostei de vir aqui, agora revela-se realmente uma perda de tempo enorme!

Anónimo disse...

"A mulher mais confiante numa sala pode aparentemente ser a mais bem vestida, mas não tenha dúvidas que a mais confiante será a mais inteligente!"

Concordo com esta frase!
Como pode dizer que a mulher mais bem vestida é a mais confiante?isso é um verdadeiro disparate, pois se formos a pensar metade da população portuguesa não tem dinheiro para comprar os modelos que tem apresentado no seu blog. Afinal onde estão os verdadeiros valores?!

Paula T. disse...

Só não percebo porque carga de agua é que de forma a mostrar respeito e orgulho em alguma coisa, tenhamos de parecer sacas de batatas. Posso ter imenso orgulho e respeito por algo, sem que para isso tenha de me tornar horrorosa.
São opiniões!

maria disse...

Visto que parece que a dona do blog espetou para aqui esta polémica toda, não se digna a dar feedback nem a moderar comentários, só o faz mesmo pela quantidade de visitas que teve, que tal em forma de protesto contra a futilidade excessiva,

DEIXARMOS DE LER ESTE BLOG? vamos lá aderir... eu começo hoje.

patrícia disse...

eu até gosto do clima que existe por causa das praxes e das universidades, e os trajes em sim. sempre quis usar traje universitário. este é o meu primeiro ano na faculdade, e estou muito contente pelo traje da minha faculdade que é TOTALMENTE diferente do traje da imagem. é uma espécie de kilt e dá muito mais gozo usa-lo por ser diferente de todos os outros.
vou seguir o teu blog ;)

Sandra Afonso disse...

Concordo plenamente contigo,este look é do mais horrivel que existe. Mas bem aproveito os comentarios do teu blogue para divulgar tres blogues meus se tu não te importares. Gostaria muito que tu visitasses e comentasses se quisesses. Ora então aqui vai o primeiro que é http://coisinhasdaavonsandra.blogs.sapo.pt meu blogue pessoal, o segundo é http://vidadosanimais-vida.blogs.sapo.pt que conta já com dois posts editados e cujo tema é sobre animais. Finalmente o terceiro é http://reflexoesmaisreflexoes.blogs.sapo.pt pequenas e grandes reflexoes para as pessoas reflectirem mas que hoje conta com um post diferente onde eu gostaria que me esclarecesses todas as minhas duvidas se pudesses. Mil beijinhos,tem um excelente dia!!!

Anónimo disse...

Muito sinceramente, este post é totalmente incoerente!
Antes usar um traje acadécimo, que é usado pela maioria com orgulho e muito amor, do que gastar rios de dinheiro nas novas modas que por ai andam..
Se o traje é feio e nos faz gordas, entao que devemos dizer das tao horrorosas modas que se seguem hoje em dia?
Há peças que também não favorecem ninguem e apenas primam pelo conforto, como camisolas largas e de lã.. Ficamos mais bonitas vestidas de animais?a parecer umas zebras..Ou a usar óculos que apenas se adquiriem por mero estilo. .Roupas essas que também nao favorecem ninguem.
Antes vestir um traje academico cheio de historias e tradição do que vestir a tamanha futilidade que ai anda!
O traje é feio porque?Não da para usar com uma mala Luis Vuitton com o nome la esfregado?Ou com uns sapatos de meio metro de altura?
Experimente a sensação de traçar uma capa e chorar ao som de uma linda serenata, que relembra todos os bons momentos que viveu numa academia!
Ultimamente em vez da igualdade prima a futilidade, é pena..

Inês disse...

Felizmente, conheço muito boas razões para levar alguém a vestir isso :)

Fernanda disse...

Não gostei deste post, nem estava a acreditar no que estava a ler! Usei traje, não ficava nenhuma B. Bardot com ele vestido, mas também não era essa a intenção...é claro que quando o mandei fazer acertei details para ficar mais ao meu gosto, mas nada de extraordinário! Enfim...tem a ver com tradição, com história e nada mais que isso! Quando quero ser bonita eu sei o que vestir e nada tem a ver com traje...

**********s
FC

=) disse...

Não vou descutir aqui tradições, mas respondendo ao post:
vê o traje como um chocolate Kinder, quando a mulher o tira é sempre uma surpresa!!!

***
Sofia

junta-te ao meu blog!
www.iwannabeafashionista.com

mariana disse...

Tenho seguido as respostas, desde que foi publicado o post...
Desde já digo, que em maioria eram desnecessários e chego mesmo a dizer ofensivos e desagradáveis.
Trajei e adorei, uma experiência que não se esquece, sem dúvida... Mas penso que já chega de tamanho bombardeamento.
Menos... muito menos!!

Anónimo disse...

se tivesse andado na faculdade compreenderia...o traje académico não é uma moda. Enfim...

Anónimo disse...

Liberdade de expressão: A JOM tem direito a não gostar/não compreender... outras pessoas têm o direito de não gostar/não compreender o que a JOM escreveu.
sou licenciada, não trajei, não praxei, fui praxada. Nunca gostei de fardas. Acho que o que vestimos é tb parte da nossa identidade e simboliza ainda o que queremos mostrar ao mundo. Não somos todos iguais, felizmente. E, qto mais cedo percebermos isso, melhor, pq mais facilmente saberemos lidar/conviver com as diferenças e perceber que são elas que nos enriquecem.
Posso ser fútil por gostar de moda... gosto, sim... mto, desde sempre. Mas jamais julguei alguém por aquilo que veste. Não compreendo o traje e não gosto, mas aceito/compreendo que haja quem goste e quem use (mtos dos meus amigos trajaram)... para mim, seria fútil se tivesse pedido aos meus pais que gastassem dinheiro com isso... e fiz a minha licenciatura de 5 anos em 5 anos.

Anónimo disse...

Ops... só mais umas coisinhas...
é óbvio q a opinião da JOM foi mto agressiva, mas a da maioria dos que vieram defender o traje tb...
E a questão não é a roupa ser igual à dos outros, mas sim ser usada da mesma maneira que toda a gente. Nós podemos ter todas as mesmas 20 peças de roupa e nuncas as usarmos da mesma maneira. E é isso q nos diferencia um dos outros... it's not what you wear, but how you wear. E isso o traje não permite.

Atenção, para mim, desde que não seja obrigatório, cada um usa/faz o que quer... mas não é por ter andado na faculdade que tenho de achar bonito ou devia ter querido usar.

Z. disse...

ahahahah já me perguntei isso tantas vezes. ainda bem alguém que me compreende!
(i'm b.a.c.k.)
xx

Brown and Cappuccino disse...

Só agora vi este post e sinceramente penso que com toda a certeza já alguém deve ter dado esta explicação. Então é assim, esse traje, conhecido como traje académico usado no Porto, Coimbra e Lisboa (os do minho e de aveiro são diferentes) tem como finalidade tornar os estudantes iguais, sem distinção de classes sociais. Não é objectivo dele ser bonito, assentar bem e realçar os nossos atributos (eu pessoalmente nunca gostei de me ver com ele vestido)mas esta foi a unica maneira que a academia encontrou de colocar os alunos todos no mesmo patamar. A par disso, quando os alunos vestem o traje não podem usar maquilhagem, unhas pintadas, oculos de sol nem muito menos penteados (ganchos, travessões, fitas)... o objectivo nao é ficar bem nem ser bonito nem muito menos estar na moda... o objectivo é apenas honrar a academia e colocar os alunos todos ao mesmo nível.

Beijinhos*

Brown and Cappuccino*

Ana Oliveira disse...

O traje académico foi criado precisamente para eliminar a existência de diferenças de roupa, que reflectiam as diferenças de classes sociais! Hoje isso já não se coloca tanto, mas fica o espírito de grupo e a tradição! Sendo que obviamente só se veste em certas ocasiões! E grito académico só é grito quando se pode atirar a capa ao ar no final! Como estudante de Coimbra acredito que há universidades onde fomentam mais este espírito que noutras e que por isso faça mais sentido usá-lo, independentemente da questão estética!

Sara disse...

A futilidade tem limites...

Irina disse...

Este seu post revela uma ignorância tremenda. E com isto não a pretendo ofender, acho apenas que deveria informar-se melhor. Equanto não o fizer, não devia falar daquilo que não sabe, pois corre o risco de dizer estas coisas sem qualquer cabimento e que fazem com que pareça que não tem nada na cabeça a não ser a mania dos trapinhos de marca (e se eu gosto desses trapinhos, ui, se gosto!)

O objectivo do Traje é fazer com que as pessoas se destaquem umas das outras usando como única arma a sua personalidade. Não há marcas, não há distinção social, não há demonstração de estilo próprio.. Traje é Igualdade. Enfim, felizmente já muita gente explicou isto bem, aqui. Espero que esteja mais elucidada. E já agora. Eu num traje não fico gorda nem pareço mais velha. Aliás, como não posso usar maquilhagem até pareço um nadinha mais miúda. Para dizer a verdade, assenta-me muitíssimo bem.

Anónimo disse...

é um orgulho... e mais não digo!!

Luísa disse...

Decerto que vou repetir mas o traje não serve para andarmos todas(os) de igual (para isso existem as terríveis lojas tipo Zara and stuff)... Serve para demonstrarmos o nosso esforço na vida académica. Serve de certo modo para nos orgulharmos do nosso percurso. Isso e as cartolas/bengalas e rosetas que se usam cá no Norte quando somos finalistas.
E ao contrário do que muita gente pensa, o traje apareceu para haver igualdade entre todos os estudantes. Se recuarmos aos inícios do século XX vemos que nem todos tinham acesso garantido ao ensino superior. E dos muitos que tinham, nem todos eram filhinhos de papá médico e mamã snob. Muitos conseguiram pelo esforço e pela força de vontade. E infelizmente esses mesmos pobres de bolso (mas ricos de espírito) iam com certeza para as universidades com roupa humilde e sem vaidade (porque para se alimentar a vaidade há que ter dinheiro) enquanto que o papá rico oferecia grandes vestimentas aos filhinhos que as ornamentavam orgulhosos de papo cheio. Como essas coisinhas mesquinhas suck, inventaram uma roupa (ainda que feia e pesadíssima) humilde, sem grandes brilhos e voluptuosidades que transmitisse igualdade entre todos e para que mal fosse vestida ninguém notasse se A ou B são pobres ou ricos.
Claro que hoje nem todos podem comprar o traje porque ele é caro (e o de rapaz pior) mas posso garantir que tenho orgulho em tê-lo usado e de ter a minha capa recheada de emblemas e madeirinhas. Tenho orgulho do mesmo me ter acompanhado. Sou estudante de mestrado e ainda o visto para ocasiões académicas. Acredite: é um GRANDE orgulho usar o traje, ainda que me faça parecer mais velha 10 anos ou mais gorda 20 anos. Não me interessa o que pensam, desde que eu tenha o canudinho na mão, emprego e sensação de missão cumprida. Se as tradições não são para cumprir, então não vale a pena começarem-nas.

Anónimo disse...

Q post horrivel... e eu q adorava o teu blog... q desilusao! claramente nunca usast capa e batina logo nao sabes o bem q t sentes numa roupa q n t favorece e q t faz parecer mais velha...

Sara disse...

Sou estudante universitária e agradeço à minha inteligência por não ser levada por massas e decidir, logo no primeiro dia de universidade, que nunca ia vestir um traje.
Adoro quando leio algo assim, é tão raro (e não é só pelos kilos que se engordam nem pela velhice que nos dá, é porque não me diz abosultamente nada)!

Ana Teresa disse...

Primeira vez que venho ao blog e deparo-me logo com esta barbaridade de post...

Realmente a ignorância não tem limites... infelizmente...

Maria Mi disse...

já sentiu aquele arrepio de orgulho quando se olha ao espelho trajada...? e aquele sentimento incomparavel quando se traça à capa no fim de uma serenata na sé velha... não sabe o que perdeu =)

Carolina disse...

eu AINDA não trajei , mas na Queima lá estaremos ! (:
mas posso dizer que desde que ingressei na faculdade o momento mais bonito e que está efectivamente entre os mais marcantes da minha vida até agora aconteceu nas margens do mondego , à noite quando a minha madrinha se chegou ao meu ouvido e disse " eu te baptizo em nome da Praxe " e logo de seguida me deu uma penicada de água gelada do rio . o arrepio que se sente é impagável .

e ora adivinhe lá , eu trazia uns shorts pretos e uma t - shirt preta da sportzone , uns collants amarelos , uma capa acetinada amarela e uns óculos feitos à mão pelo pai dela , não podia estar mais pirosa ( de acordo consigo ) , mas também não podia estar mais feliz .

é um encher o peito de ar e gritar pela academia .

e que eu saiba , eu duvido que quando acorda de manhã seja a estampa que se apresenta no emprego ou num encontro , mas ainda assim continua a gostar de si , não é ?

" capaz negras
santa clara
da tricana à universidade
oh mondego tens nas aguas todo o brilho desta cidade . "

Anónimo disse...

já vai muito atrasado este comentário porque só hoje descobri este blog. queria dizer que concordo com a JOM. ando a tirar o mestrado na faculdade de belas-artes de Lisboa, para onde entrei há 27 anos, quando ainda era a ESBAL. nos últimos anos vejo cada vez mais colegas com a tal fatiota preta. quando entrei para as belas-artes a tradição era não haver praxes nem trajes académicos ou benção de fitas. agora já há. talvez seja uma consequência da integração na universidade de Lisboa no início da década de 90. as belas-artes eram uma instituição de ensino diferente das outras exactamente por ser não-conformista. vestir um uniforme implica a diluição senão mesmo a anulação da individualidade. é o oposto da expressão individual. certo dia perguntei a um colega que estava vestido com o tal traje porque é que ele andava assim vestido numa faculdade em que essa tradição não existia até há pouquíssimo tempo e ele respondeu-me que era da associação de estudantes e que, para além dos seus motivos pessoais, ele era obrigado a usar o traje quando tinha de ir falar com o reitor ou desempenhar outras funções associativas. bom, nem todas as pessoas que usam as tais fatiotas são da associação de estudantes. lá terão os seus motivos mas seja ele qual for eu não gosto nada de ver esses trajes pretos na minha faculdade. são uma descaracterização e são uma tradição postiça que eu só consigo admitir porque defendo que cada um tem o direito de andar vestido como muito bem quer. além disso, de facto, a dita fatiota consegue transformar a rapariga mais elegante numa matrona...

Anónimo disse...

descobri agora este blog e até a este post estava a achar piada ao conceito. mas bastou este triste post para nunca mais cá por os olhos e tenho a certeza que mais pessoas o fizeram. uma coisa é a livre expressão de ideias, outra totalmente diferente é vir para um blog mostrar a total ignorância e falta de cultura. realmente é triste uma pessoa vir expor opiniões sobre assuntos que desconhece totalmente e vir falar do traje académico (da Universidade de Coimbra ainda por cima!!!) como se soubesse minimamente do que fala. Como se fosse um outfit milionário dos q publicita nesta página e do qual não gostou pq os seus ícones famosos nao os usam ou chanel não fabrica. um conselho: tente ingressar na universidade (tente vai ver q não é fácil!), e dpois venha cá outra vez falar do outfit! tenha vergonha
Liliana

joana disse...

Como é possível que comentários deste género ainda existam? É claro que cada um tem a sua opinião e como é óbvio, deve mantê-la. Mas por favor! A vida é efémera e cada um deve vivê-la como quiser.
No meu caso e, felizmente, em muitos outros dos estudantes deste país, o traje e as tradições académicas não fazem só todo o sentido, como nos transmitem uma série de sensações únicas que recordaremos sempre! é claro que tudo varia de universidade para universidade, mas no meu caso (Universidade do Minho) há um espírito académico único que me trará muitas, mas muitas saudades quando acabar o curso.
A vida é feita não de aspectos físicos, de materialismos e futilidades, mas sim de tudo o que nos faça sentir vivos e felizes, e a verdade é que ninguém tem nada a ver com isso! Só gostava que , pelo menos a nossa geração, não tente acabar com uma tradição tão nobre como é o envergar de um traje académico. Quem não gosta, nao usa e quem gosta ... bem quem gosta não precisa de explicações. Sabe perfeitamente o significado de tudo isto.

Joana

 
Lifestyle Blogs - Blog Rankings